Orientações gerais

O documento “Orientações para atendimento de alunos com NEE (Necessidades Educacionais Especiais”, base para a instrumentalização de todos os colaboradores envolvidos na relação de ensino e aprendizagem e também os que estão no polo de apoio presencial apresenta algumas adequações possíveis para atender as necessidades educacionais de cada estudante com deficiência, como nos exemplos abaixo:

Deficiência Intelectual e Dificuldades Acentuadas de Aprendizagem

Acessibilidade Metodológica (também conhecida como pedagógica)

  • Oferta de conteúdos de diferentes formas (vídeos, áudio, instruções escritas, mensagem direta ao professor, entre outras)
  • Introdução de atividades complementares, de caráter formativo, para auxiliar o aluno nos processos de ensino e aprendizagem;
  • Autorização para o uso de recursos tecnológicos como softwares com leitores para aqueles com dificuldades de leitura.
  • Adaptação na produção do estágio e TCC.

Acessibilidade nas comunicações

  • Disponibilização de links de aulas;
  • Atendimento individualizado por meio de recursos audiovisuais e de comunicação;

Acessibilidade Digital - Material em áudio;

  • Material didático em formato impresso acessível;
  • Material didático digital;
  • Recursos de informática acessível.

Deficiência Visual/Cegueira

Acessibilidade Metodológica (também conhecida como pedagógica)

Durante o andamento do curso:

  • maior tempo para o término das atividades propostas,
  • Quando necessário é disponibilizado, para alunos cegos ou com baixa visão, os documentos do curso em fontes ampliadas ou em Braille,
  • Será possível a entrega das atividades do curso gravadas em áudio (estágio curricular obrigatório, por exemplo).
  • Para a entrega de relatórios (relacionados ao estágio e demais atividades do curso), será permitida a utilização de papel fosco, caso seja necessário.

Acessibilidade nas comunicações - Recursos Ópticos e Não-ópticos,

Acessibilidade Digital

  • A Estácio desenvolveu alguns recursos pedagógicos para atendimento dos 2 públicos conforme detalhado abaixo.

Material Didático Digital e Acessível

  • I. O aluno com necessidades especiais tem a possibilidade de ouvir o seu material digital tanto utilizando o software DOSVOX quanto o NVDA. Para isso desenvolvemos o manual em áudio.
  • II. Ampliação (lupa) O aluno poderá utilizar a lupa para ampliar o material para consulta, basta escolher o a tecla de atalho (Ctrl +) para ler o material em fonte ampliada.

DOSVOX: obtido gratuitamente por meio de “download” a partir do site do projeto DOSVOX: http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox

  • O aluno também pode utilizar o VIRTUAL VISION. Software brasileiro desenvolvido pela Micropower e distribuído gratuitamente http://www.micropower.com.br
  • Outra possibilidade: utilização do Sistema Braille.

Surdez / Deficiência Auditiva

Acessibilidade Metodológica (também conhecida como pedagógica)

  • Durante as aulas, é recomendado que o professor faça as suas explanações, na medida do possível, de frente para a câmera, falando nem muito rápido, nem muito devagar com movimentos labiais adequados, articulando corretamente os fonemas. Evitar dar explicações de costas ou escrevendo na lousa;
  • Explanar as aulas de forma expositiva utilizando recursos gráficos e visuais.

Acessibilidade Digital

  • Legenda nas aulas e nos vídeos.

O aluno com deficiência auditiva possui um recurso denominado Close Caption (CC), onde o mesmo poderá ter acesso às legendas das suas aulas. Caso queira salvar a legenda da aula para estudar em outro momento, basta marcar a opção “baixar”.

Altas Habilidades/ Superdotação

Acessibilidade Metodológica (também conhecida como pedagógica)

  • Programas de enriquecimento curricular que favoreçam sua participação e ampliação de possibilidades de aprendizagem em diferentes áreas ou tarefas.
  • Estímulo e valorização das potencialidades do sujeito com AH por meio de programas institucionais, como projeto empreenderismo.
  • Parceria com AEE para Altas Habilidades ou com associações como a Associação Paulista para Altas Habilidades/Superdotação (http://apahsd.org.br/)

Acessibilidade nas comunicações

  • Atendimento individualizado por meio de recursos audiovisuais e de comunicação;

Acessibilidade Digital

  • Material em áudio;
  • Material didático em formato impresso acessível;
  • Material didático digital;
  • Recursos de informática acessível.

Deficiência Física

Acessibilidade Metodológica (também conhecida como pedagógica)

  • Autorização do uso de recursos tecnológicos como softwares com leitores e/ou teclados com som;
  • Adaptação de mobiliário de acordo com as necessidades do estudante;
  • Autorização avaliação oral caso o aluno tenha dificuldade de escrita e/ou manuseio do equipamento (mouse e teclado);
  • Nas aulas práticas, autorizar que o aluno possa participar somente como observador, caso sua dificuldade específica inviabilize a sua participação ativa. Ou colocar o aluno em bancada adaptada.

Acessibilidade Arquitetônica

  • Eliminação de barreiras arquitetônicas para circulação, permitindo acesso aos espaços coletivos;
  • Reserva de vagas em estacionamentos nas proximidades das unidades de serviço;
  • Construção de rampas com corrimões ou colocação de elevadores, facilitando a circulação de cadeiras de rodas, segundo normas da ABNT NBR 0.050/2004;
  • Adaptação de portas, banheiros e salas de aula com espaço suficiente para permitir acesso de cadeiras de rodas;
  • Instalação de lavabos, bebedouros e telefones públicos em altura acessível aos usuários de cadeiras de roda;
  • Colocação de barras de apoio nas paredes dos banheiros;
  • Colocação dos telefones, interfones e painéis de elevadores na altura possível de um cadeirante utilizar.

Acessibilidade nas comunicações

  • Disponibilização de links de aulas;
  • Atendimento individualizado por meio de recursos audiovisuais e de comunicação.

Acessibilidade Digital

  • Material em áudio;
  • Material didático em formato impresso acessível;
  • Material didático digital;
  • Recursos de informática acessível.

Transtorno do Espectro do Autismo

Acessibilidade Metodológica (também conhecida como pedagógica)

  • Adoção de parâmetros individualizados e flexíveis de avaliação pedagógica, valorizando os pequenos progressos de cada estudante em relação a si mesmo e ao grupo em que está inserido;
  • Interlocução permanente com a família e os profissionais que eventualmente venham a atender esse aluno, exemplo, psicólogo, psicopedagogo, fonoaudiólogo;
  • Intervenção pedagógica para o desenvolvimento de relações sociais e o estímulo à comunicação, oportunizando novas experiências ambientais, sensoriais, cognitivas, afetivas e emocionais.
  • Acompanhamento das respostas do estudante frente ao fazer pedagógico para a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento de competências,
  • Autorização avaliação oral, inclusive em relatório de estágio;
  • Planejamento e organização do atendimento educacional especializado considerando as características individuais de cada estudante que apresenta esse transtorno, podendo implementar plano de atendimento individual objetivando a eliminação de barreiras que dificultam ou impedem a interação social e a comunicação.

Acessibilidade nas comunicações

  • Identificação das competências de comunicação e linguagem desenvolvidas pelo estudante, vislumbrando estratégias visuais de comunicação, no âmbito da educação escolar, que favoreçam seu uso funcional no cotidiano escolar e demais ambientes sociais;
  • Tecnologia Assistiva, voltada à Comunicação Alternativa/Aumentativa para esses sujeitos.

Acessibilidade Digital

  • Tecnologia Assistiva, voltada à Comunicação Alternativa/Aumentativa para esses sujeitos.